SAIBA COMO APROVEITAR O SAO JOAO DE RECIFE


Festas vão contar com músicos conhecidos e arraiais descentralizados. Visitantes podem também curtir pontos turísticos e comida regional



Aproveitar o São João na Região Metropolitana do Recife não é difícil. As opções de locais são variadas e voltadas a públicos diversos. Da Zona Norte à Zona Sul do Recife, em Olinda, Jaboatão e nas outras cidades da RMR, as festas não param. Ao contrário do Carnaval, não é época de sol forte e propícia para se bronzear nas praias, mas a cidade é acostumada a receber bem os turistas em qualquer ocasião. Correr para o Agreste e para o Sertão é sempre uma boa ideia, mas para quem prefere ficar na capital e nos arredores, há sempre uma opção para sentir o gostinho do interior na grande cidade. 

Apesar da crise econômica do país, os forrozeiros locais prometem uma festa arretada, como sempre. A sanfoneira Terezinha do Acordeon, por exemplo, diz que o recifense precisa se unir e se animar para fazer uma festa bonita, e que vai "se esforçar contra a crise". O portal Pernambuco.com elaborou um roteiro de locais para você visitar no Grande Recife durante o cilco do São João e aproveitar bem o clima local.

Uma atração é o projeto Eu Amo Minha Rua, organizado pela Prefeitura do Recife, que consiste em premiar, com um show de Maciel Melo e de um trio pé-de-serra, os moradores da rua que tiver a melhor decoração para o São João. Outras nove ruas serão selecionadas e também receberão um trio musical. Maciel não desanima nunca. "Apesar da quantidade reduzida de shows, a tradicional animação será mantida", afirma.




Como se fosse no interior

O forrozeiro Rogério Rangel indica o Sítio da Trindade, em Casa Amarela, Zona Norte do Recife, como um dos melhores lugares para se curtir as festas de junho e um bom "forró gonzaguiano", como classifica o cantor. O local, cuja fundação remete ao Forte do Arraial do Bom Jesus, dos tempos da Invasão holandesa a Pernambuco (1630-1654), é um dos polos de São João que mais atrai grandes números de pessoas durante as festividades. Os tradicionais concursos de quadrilhas juninas e quadrilhas infantis serão atrações desta 31° edição. O lugar, onde Alceu Valença também vai se apresentar este ano, também é o preferido de Terezinha do Acordeon e Maciel Melo. 

Palco para grandes shows

Outro ponto tradicional em termos de festas é a Praça do Arsenal da Marinha, no Recife Antigo. Revitalizada na década de 1990, a praça anualmente ambienta o arraial Antôno Baracho para quadrilhas juninas e bandas. As principais atrações para 2015 são Elba Ramalho, Genival Lacerda, Nando Cordel, Jorge de Altinho, Maciel Melo, Quinteto Violado, Silvério Pessoa e Petrúcio Amorim. O São João do Arsenal começa a funcionar no dia 19 de junho. Serão cinco noites de muito forró, com as atrações se apresentando a partir das 19h. 


Território do pé-de-serra 

A Sala de Reboco, no Cordeiro, fará uma homenagem, na véspera de São João, a Mestre Camarão, falecido em abril. Aclamada como a casa do "autêntico pé-de-serra", o local foi inaugurado em 1999, e desde então vem atraindo um público fiel. O sobrado funciona todas as quintas, sextas, sábados e vésperas de feriado, a partir das 22h, e conta com a já conhecida programação pé-de-serra que pode ser conferida clicando em seu site. A programação do São João, com todos os polos promovidos pela Prefeitura do Recife, foi divulgada e pode ser conferida abaixo.


Atrações turísticas

O pessoal que vem de fora aproveitar o São João no Recife pode visitar diversos pontos turísticos da cidade e se sentir no interior. O Centro de Artesanato de Pernambuco (F.: (81) 3181-3451), na Praça do Marco Zero, se tornou uma vitrine essencial para os artesãos do estado e é um equipamento criado para impulsionar a ocupação do centro da cidade nos finais de semana.


Francisco Brennand mantém sua famosa oficina ceramista no bairro da Várzea, zona oeste do Recife. O espaço se tornou sede dos trabalhos do artista em 1971, surgido das ruínas da antiga fábrica Cerâmica São João, administrada pelo pai do artista. São mais de duas mil peças em exposição, cujos temas variam entre natureza e sexo. A Oficina conta ainda com uma loja-café a Capela de Nossa Senhora da Conceição. As visitas acontecem de segunda a sexta-feira, a partir das 8h. Os ingressos custam R$ 10, com direito a meia-entrada.

Os mercados públicos do Recife e de Olinda também são uma boa pedida para os turistas. O de São José foi erguido em 1875 e é uma das primeiras construções do país a ter estrutura toda em ferro. Em seu interior, é possível adquirir objetos em barro, madeira, palha e fibra, além do bom caldo de cana moída na hora. O da Boa Vista foi construído no início do século XX, em meio a um conjunto arquitetônico composto por casario e as igrejas de Santa Cruz e de São Gonçalo.

Conta com 63 boxes, que comercializam gêneros alimentícios como frutas, cereais, verduras, carnes e peixes, além de abrigar armarinhos, salão de beleza e praça de alimentação. As estruturas e funcionamento dos mercados do Recife e de Olinda se assemelham e podem ser acompanhados no Pernambuco.com.


Onde comer

A culinária pernambucana é reconhecidamente uma das mais procuradas do Brasil. Para o São João, restaurantes regionais e padarias da capital e da Região Metropolitana estão a postos para o cliente que procura um bom prato típico. O restaurante Parraxaxá, tanto em Casa Forte quanto em Boa Viagem, funciona das 8h às 23h e conta com forró pé-de-serra todos os sábados. O buffet de pratos regionais custa R$ 54,90/kg, de segunda a sexta-feira, e R$ 58,90/kg, aos sábados, domingos e feriados. 


Já a Oficina do Sabor, na Cidade Alta de Olinda, está há quase 23 anos no mercado. A casa é decorada com a arte popular pernambucana, dando valor a quadros e artesanato locais em geral. As toalhas de mesa são feitas e pintadas à mão por artistas pernambucanos. O local tem capacidade para receber até 130 pessoas e, de seus terraços, é possível ter uma bela vista de Olinda e do Recife. Para consumir o prato-chefe da Oficina, o jerimum recheado com camarão, que serve duas pessoas, é preciso pagar R$ 14. Já a carne de sol, também para duas pessoas, custa R$ 93. 

Na Zona Sul do Recife, o Chica Pitanga é uma outra alternativa de culinária regional. O buffet, no almoço, de segunda a sexta-feira, custa R$ 62,90/kg, passando para R$ 69,90/kg, aos sábados, domingos e feriados. Já durante a noite, valorizando as comidas de milho, o restaurante também oferece uma boa variedade de bolos, como o de rolo, o pé-de-moleque e o Souza Leão. 

O Jabá Regional e Pizzaria, em Piedade, Jaboatão dos Guararapes, é mais uma opção. A decoração é tipicamente nordestina, com sanfonas, artesanato em barro, balões e garçons usando chapéus de couro. Também há uma fogueira para os próprios clientes assarem milho. De quinta a sábado, a casa, que tem dois ambientes para comportar até 500 pessoas, conta também com shows de forró. Dentre os pratos mais pedidos, os cubos de jabá ao coco na moranga servem até três pessoas e sai por R$ 62,62. O restaurante fica na Avenida Bernardo Vieira de Melo, 1100, e o telefone é o (81) 3093-2770.

A tradicional padaria Roque é uma das mais antigas do Recife e fica no bairro de Jardim São Paulo, Zona Oeste. O espaço foi ampliado recentemente para também abrigar um restaurante. O self-service do local conta com pratos como charque nordestina, maminha ao ponto, iscas de fígado acebolado e carne ao molho imperial, além de doces, bolos e comidas de milho. 

Programação São João 2015 from Marcela Assis